RSS

Papa explica aos jovens sentido da cruz: renúncia de si mesmo

06 abr

Meditemos as palavras que Sua Santidade Bento XVI dirigiu ontem aos jovens:

Papa explica aos jovens sentido da cruz: renúncia de si mesmo

Por Inma Álvarez

CIDADE DO VATICANO, domingo, 5 de abril de 2009 (ZENIT.org).- Com sua morte na cruz, Jesus mostrou a lei fundamental da existência humana: aquele que se apega a sua vida, perde-a; e quem renuncia sua vida neste mundo, a guardará para uma vida eterna. Foi o que afirmou hoje o Papa aos jovens presentes na celebração do Domingo de Ramos em Roma, para a XXIV Jornada Mundial da Juventude.

A celebração na Praça de São Pedro acolheu os jovens da diocese de Roma, assim como dois grandes grupos procedentes de Sydney (Autrália) e Madri (Espanha) para a cerimônia de entrega da Cruz e do Ícone da Jornada Mundial da Juventude, que aconteceu depois da Missa, durante ao Ângelus.

«Quem quer ficar com sua vida para si, viver só para si mesmo, abraçar tudo para si e desfrutar todas as possibilidades – precisamente este perde a vida. Esta se converte em fugaz e vazia», explicou o Papa aos jovens, durante a homilia.

«Só o abandono de si mesmo, só no dom desinteressado do eu a favor do tu, só no «sim» à vida maior, própria de Deus, também nossa vida chega a ser ampla e grande», acrescentou.

A Cruz portanto revela o mistério do amor, pois este «significa abandonar-se a si mesmo, doar-se, não querer possuir a si mesmo, mas ser livre: não prender-se a si mesmo – o que será de mim –, mas olhar adiante, para o outro – para Deus e para os homens que Ele me envia».

Esta verdade não deve ser vista como algo abstrato, explicou, mas que «na realidade concreta, não se trata simplesmente de reconhecer um princípio, senão de viver sua verdade, a verdade da cruz e da ressurreição».

«O grande “sim” do momento decisivo em nossa vida – o “sim” à verdade que o Senhor nos põe diante – deve ser depois cotidianamente reconquistado nas situações de todos os dias, nas quais, sempre de novo, devemos abandonar nosso eu, colocar-nos à disposição, quando no fundo queríamos, ao contrário, agarrar-nos a nosso eu», acrescentou.

A uma nova vida reta, afirmou o Papa, «pertence também o sacrifício, a renúncia. Quem promete uma vida sem este sempre novo dom de si, engana as pessoas. Não existe uma vida com realização sem sacrifício».
Aceitar, portanto, a cruz na própria vida, explicou Bento XVI aos jovens, supõe que «a glória de Deus, seu senhorio, sua vontade é sempre mais verdadeira que meu pensamento e minha vontade».

A oração consiste em «aprender esta ordem justa da realidade, aceitá-la intimamente; confiar em Deus e crer que Ele está fazendo o justo; que sua vontade é a verdade e o amor; que minha vida chega a ser boa se aprendo a aderir a esta ordem».

«A vida, morte e ressurreição de Jesus são para nós a garantia de que podemos verdadeiramente confiar em Deus. É desta forma que se realiza seu Reino».

Este sinal da cruz, acrescentou o Papa aos jovens, «vai de um lado a outro do mundo, de mar a mar. E nósacompanhamos. Progredimos com ela no caminho e encontramos assim nosso caminho».

«Quando tocamos a Cruz, e mais, quando a levamos, tocamos o mistério de Deus, o mistério de Jesus Cristo», acrescentou, mas «também a lei fundamental, a norma constitutiva de nossa vida, ou seja, o fato de que sem o «sim» à Cruz, sem caminhar em comunhão com Cristo dia a dia, a vida não pode ir bem».

«Quem quer reservar sua vida para si mesmo, a perde. Quem entrega sua vida – cotidianamente, nos pequenos gestos que fazem parte da grande decisão – este a encontra. Esta é a verdade exigente, mas também profundamente bela e libertadora, na qual queremos entrar passo a passo durante o caminho da Cruz através dos continentes», concluiu.

Anúncios
 
1 comentário

Publicado por em 6 de abril de 2009 em Bento XVI, Espiritualidade, Papa

 

Uma resposta para “Papa explica aos jovens sentido da cruz: renúncia de si mesmo

  1. Adovaldo

    6 de abril de 2009 at 16:33

    Grande Marcelo, em primeiro lugar obrigado pela ajuda na Vigília.
    Em segundo lugar, a cruz, como renúncia de si mesmo, faz-nos lembar do tempo de reflexão, oração e jejum que a quaresma nos traz. A renúncia a que o Papa alude, entendo eu, deve ser a renúncia àquilo que nos afasta da idéia de templo de Cristo. Daí a fundamental preparação à festa do Senhor como forma de renunciar aos males do mundo. Lembrando também que Jesus renunciou à sua vida, como humano para os salvar. Que tal também nós renunciarmos para salvar a princípio a nossa vida. Excelente texto cara!
    Prometo entrar mais vezes por aqui
    Abraço
    Dodô

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: