RSS

Doenças Espirituais – 4ª Parte

01 jul

Acídia

A acídia tem uma certa semelhança com a tristeza. Geralmente as pessoas conhecem-na como o pecado capital da preguiça. Mas preguiça não é o termo mais correto para denominar esta doença espiritual. Vejamos:

Enquanto a tristeza vem da perda dos bens terrenos, a acídia é um tédio, uma sensação de prostração, por assim dizer, em relação aos bens espirituais. Qualquer pessoa busca se afastar do que lhe entristece e se aproximar do que lhe agrada. Assim, a acídia faz com que a pessoa busque os prazeres terrenos, já que os bens espirituais só lhe trazem tédio.

Muitas vezes esse tédio pode levar a uma fraqueza, espécie de preguiça espiritual que tira as forças da alma, fazendo com que a pessoa não se empenhe no combate espiritual. Muitas vezes a sensação de prostração causada pela acídia pode levar a um desespero suicida, já que a pessoa não consegue enxergar sentido na vida.

É difícil diagnosticar a acídia. Geralmente a pessoa só consegue enxergar que sofre de acídia com a ajuda de um diretor espiritual. Existem alguns indícios: A pessoa adota um comportamento de “workaholic”: tem uma agenda lotada de compromissos e só para quando vai dormir.

Importante frisar que os compromissos podem ser todos relacionados à igreja. Alguém que participa de várias pastorais, sendo extremamente ativa em trabalhos paroquiais pode muito bem estar sofrendo de acídia. Note-se, portanto, o perigo da acídia: uma pessoa pode estar sofrendo desta doença ao mesmo tempo que se engaja cada vez mais em sua paróquia.

Outro exemplo de acídia é um comportamento típico dos jovens de hoje: Escutam música alta o dia inteiro, quando não estão na frente do computador ou jogando vídeo-game. Toda noite tem balada. Ou seja, não conseguem para um minuto sozinhos para pensar na própria vida.

Outros indícios da acídia: quando a pessoa não vê a hora de viajar para sair da rotina, está insatisfeita com seu emprego, mesmo tendo trocado de emprego diversas vezes, ou está insatisfeito com seu curso superior, mesmo tendo iniciado várias faculdades diferentes. Ou, ainda, está insatisfeita com seu casamento e começa a pensar que deveria ter sido padre/freira, ou que deveria ter casado com outra pessoa e etc. Enfim, a pessoa no fundo odeia a vida que tem.

Muitas vezes a acídia causa uma sensação de desconforto, desgosto na oração. Por outro lado, outro indício da acídia é quando o acidioso estabelece grandes propósitos religiosos para cumprir. Exemplo: Pedrinho estabelece que vai ficar três horas em adoração ao Santíssimo Sacramento. Consegue ficar 20 minutos em adoração e desiste. Ou então, decide que vai ficar a Quaresma inteira a pão e água e obviamente não consegue.

Grandes propósitos que não são cumpridos causam mais mal à alma que bem. É importante ter prudência, temperança e moderação também em questões espirituais.

O principal remédio para a acídia é a pessoa reconhecer que está padecendo dessa doença. Com efeito, uma das características da acídia é obscurecer, turvar a visão que a pessoa tem sobre si mesma, de modo que perceber que se está doente é meio caminho para a cura.

A cura da acídia só será alcançada por meio de um longo caminho, logo outros remédios importantes são a paciência e a perseverança. Paciência para saber que a cura não virá de um dia para o outro e perseverança para não desanimar, ter esperança que a cura virá.

É importante rezar constantemente e continuar rezando mesmo quando se sentir tentado a desistir por causa do desânimo. A oração dos Salmos, como o 26 e o 41, é muito importante, bem como a leitura das Sagradas Escrituras, que fazem nossa alma se elevar aos bens celestes.

Os Padres da Igreja também recomendam a meditação sobre a morte. Todo dia ao dormir pensemos que podemos não amanhecer vivos. Cuidado! Não é para ter pensamentos mórbidos ou desesperados. A meditação da morte tem como objetivo levar a pessoa a perceber a transitoriedade da atual situação e inspirar no seu coração o amor aos bens eternos.

Anúncios
 
4 Comentários

Publicado por em 1 de julho de 2009 em Espiritualidade

 

4 Respostas para “Doenças Espirituais – 4ª Parte

  1. Petunia Flor Singela

    25 de novembro de 2012 at 23:53

    O TEXTO REZA;
    “O principal remédio para a acídia é a pessoa reconhecer que está padecendo dessa doença. Com efeito, uma das características da acídia é obscurecer, turvar a visão que a pessoa tem sobre si mesma, de modo que perceber que se está doente é meio caminho para a cura”

    Gostaria de saber se é possível esse processo de percepção se dá sem intervenção médica.

    Como uma pessoa sem conhecimento desses assuntos filosóficos, sem recursos para tratamento psicológico sério e sistemático, poderia sair de um quadro depressivo, cuja causa seja a acídia?

    Grata por sua atenção desde já.

     
    • Marcelo Moura Coelho

      19 de novembro de 2013 at 15:07

      Acídia é diferente de depressão. A primeira é uma doença espiritual e a segunda é psíquica.
      Dito isso, acredito ser muito difícil que a própria pessoa consiga discernir de qual das duas padece.
      Sugiro que procure um sacerdote experimentado na direção espiritual e converse com ele.

       
      • Petúnia Flor singela

        7 de maio de 2015 at 10:30

        Obrigada pela informação. Bom dia!

         

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: