RSS

Doenças Espirituais – 1ª Parte

03 jun

A série de posts iniciada aqui foi escrita para reuniões em minha paróquia e se baseou nas palestras e no livro do Padre Paulo Ricardo, bem como em outros autores que ainda serão indicados aqui no blog.

Depois de refletirmos sobre o pecado em geral é importante meditar sobre as principais maneiras como o pecado se manifesta em nossas vidas. É impossível falar sobre todas as espécies de pecado, mas é possível traçar algumas linhas gerais sobre os principais tipos de pecado, verdadeiros troncos dos quais os outros pecados se originam.

A nomenclatura mais conhecidad isso é pecado capital, onde este último termo vem da palavra cabeça (caput em latim), significando que os pecados capitais são os cabeças de uma série de pecados. Neste reflexão sigo a nomenclatura do Padre Paulo Ricardo, que prefere utilizar, seguindo uma antiga tradição, a expressão doença espiritual. A preferência se dá porque quando se fala em pecado causa-se a impressão de que o problema está resolvido com uma confissão, quando na realidade o problema deve ser tratado como uma doença que necessita de um longo tratamento.

As doenças espirituais são gula, luxúria, avareza, tristeza, acídia, ira, vaidade e orgulho

Gula

Infelizmente hoje em dia o pecado da gula é tratado como algo menor, sem importância, restando praticamente esquecido que se trata de um pecado capital que atrapalha bastante a vida espiritual de qualquer um. Segundo São João Clímaco, as conseqüências da gula são o espírito de fornicação, dureza de coração, sono, maus pensamentos, preguiça, mexerico, espírito de contestação, insensibilidade, arrogância e exibicionismo, entre outras. Vejam, portanto, como a gula é séria!

Tudo isso ocorre porque quando a pessoa cai na gula ela acaba sendo dominada por seus sentidos, dominada pela carne, poderíamos dizer, o que acaba por causar um certo entorpecimento da alma, porque o corpo fica fora de controle, de certa forma. Em outras palavras, se comemos demais é o corpo que manda em nós e não o contrário.

Tecnicamente existem dois tipos de gula: A primeira é comer demais, com voracidade sem necessariamente se importar muito com o sabor dos alimentos. O outro tipo é aquele em que a pessoa se deleita excessivamente com alimentos saborosos, mastigando-os longamente. Obviamente os dois tipos podem existir ao mesmo tempo.

Deixemos claro também que comer alimentos saborosos não é pecado, mas sim o deleite excessivo com eles, assim como o problema não é simplesmente questão de ser gordo ou ser magro. Com efeito, o principal não é simplesmente o comer, mas sim a atitude espiritual que assumimos ao nos alimentar, esquecendo que a comida não é um fim em si mesma.

Os principais remédios para a gula são a temperança na alimentação e o jejum. Espiritualmente é importante parar de comer enquanto ainda se está com um pouco de fome. Mas atenção é um pouco de fome! Também é importante comer alimentos saudáveis, mesmo quando não se gosta deles. Comer verduras e legumes muitas vezes pode trazer um bem espiritual maior que o físico.

Os Padres da Igreja ensinam que é impossível ter uma vida espiritual sadia sem jejuar, mas não exageremos no jejum, pois até nele é preciso temperança. Escolhamos pequenos alimentos que gostamos muito e passemos um período sem ingeri-los, por exemplo.

A razão do jejum não é simplesmente para que nós soframos um pouco ou simplesmente para passarmos fome. Se fosse assim todas aquelas modelos magérrimas seriam santas, bem como todos os miseráveis que passam fome.

A Igreja não é sádica e não ordena que ninguém deve ser sádico. O jejum é a maneira de nós mostrarmos ao corpo quem é que manda, é forçar o corpo a obedecer a alma (e esta deve obedecer Deus). Por outro lado, abraçar a pequena cruz de um jejum por escolha própria nos exercita e nos prepara para carregamos as grandes cruzes compulsórias que aparecem em nossas vidas.

Por fim, é importante mudar a atitude espiritual que se tem ao comer: em espírito de ação de graças, percebendo que os alimentos são presentes que Deus nos deu. Para isso é importante rezar antes de todas as refeições.

Anúncios
 
1 comentário

Publicado por em 3 de junho de 2009 em Espiritualidade

 

Uma resposta para “Doenças Espirituais – 1ª Parte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: