RSS

Curso de noivos em paróquia de São Paulo ensina métodos contraceptivos

28 abr

É o que noticia o portal G1. No curso de noivos realizado na Paróquia São Luiz Gonzaga, na Avenida Paulista, médicos  ensinam todos os métodos contraceptivos em geral. Um dos palestrantes, um obstetra e ginecologista que dá aulas no curso de noivos da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em São Caetono do Sul, há dez anos afirma:

A Igreja Católica aprova só a tabela, mas acho que é antifisiológico na época que a mulher está mais excitada ela se abster [de sexo]. Se Deus fez a coisa, fez a coisa certa para ter fisiologia

A reportagem é recheda de pérolas. Um entrevistado disse que o curso é uma inovação porque a Igreja Católica teria uma visão repressora da vida sexual e não acompanha as mudanças da sociedade.  Aliás, essa é a visão implícita na própria matéria. Sua noiva afirmou que não houve no curso falso moralismo ou pregação ideológica, como se religião fosse ideologia ou meramente um moralismo.

Outra entrevistada, que fez o curso de noivos numa paróquia tradicional não nominada, reclamou que nesse curso só a tabelinha foi ensinada. O médico acima citado disse também que qualquer método contraceptivo é válido e que mais cedo ou mais tarde a Igreja vai acabar mudando. O pároco da São Luiz Gonzaga disse apenas que não impõe nada.

As opiniões expressas estão fundadas em achismos. É impressionante a visão deturpada que os entrevistados mostraram a respeito da Igreja. Parece que esses cursos em nenhum momento tentam explicar a visão da Igreja sobre a sexualidade, que motiva a proibição aos métodos anticoncepcionais.

A ignorância chega ao cúmulo de um dos médicos palestrantes afirmar que um preceito da Igreja que existe justamente para que o homem viva como foi criado por Deus seja algo antifisiológico! Sem contar o absurdo que é um médico falar que a Igreja só aprova a tabelinha, desconhecendo o Método Bilings

Entretanto, mais triste que os clichês anticatólicos utilizados pelos entrevistados é que cursos de noivos realizados pela Igreja, dentro de paróquias, estejam ensinando algo que a própria Igreja condena com a desculpa que a escolha é dos noivos.

Por acaso a Igreja deve ensinar o errado, deve ensinar a pecar com a justificativa que quem escolhe pecar são aqueles que estão aprendendo? Será que ninguém percebe que justamente por estar ensinando num curso de noivos a responsabilidade em ensinar o que é certo é mais grave?

Esses cursos de noivos estão semeando futuros divórcios.

Nossa Senhora Aparecida e São Luiz Gonzaga, rogai por nós!

Anúncios
 
3 Comentários

Publicado por em 28 de abril de 2009 em Espiritualidade, Imprensa, Sexualidade

 

3 Respostas para “Curso de noivos em paróquia de São Paulo ensina métodos contraceptivos

  1. Derek

    28 de abril de 2009 at 13:35

    Na verdade o que acontece nos dias de hoje é que, muitos indivíduos que conquistam seus diplomas acham que podem discutir algo tão minucioso que é a saúde sexual entre um casal. O fato de um indivíduo estar a tanto tempo lecionando um curso de noivos com essa visão, mostra a mansidão excessiva dos nossos eclesiásticos, que deixam de lado a verdadeira Doutrina Cristã Católica. Um tema como a sexualidade deveria ser dado sim por um ginecologista e ou obstetra, mas também este deveria ter no mínimo um curso de Teologia Cristã o que pelo acontece não é fato.
    Na verdade o que é englobado nesse curso é apenas ato em si do sexo, deixando de lado a alma do ser. Os preceitos da Igreja Católica visam o bem estar do casal, de forma respeitosa à sexualidade humana. O método bilings torna a vida sexual do casal mais interessante e leva o casal a descobrir uma nova visão sobre sexo, visão essa que não tem nada a ver com o que é imposto pela sociedade atual. A visão atual sobre o sexo, torna os humanos marionetes sexuais, tornando-os objeto de saciedade de desejo do seu parceiro.
    Outro fato que ocorre muito nos cursos de noivos é que os casais que buscam-o, visam apenas a obtenção do certificado para que possam casar e quando ocorre isso juntamente com a falta de interesse dos eclesiásticos aparece essas “pérolas” na mídia, e pelo que me parece gosta de fazer críticas à Doutrina Cristâ. Peço aos casais que fizeram esse curso de noivos que estudem mais profundamente a sexualidade na Doutrina Católica. Essa visão que vocês tiveram é errada.

     
  2. Fabrício Lombardi Ribeiro

    28 de abril de 2009 at 15:01

    Trabalho há 3 anos na Pastoral dos Noivos da minha paróquia (São Judas Tadeu, Franca, SP) e, acreditem, é sempre uma luta manter esse tipo de coisa longe do Curso.

    Não conheço as realidades das outras paróquias, mas no caso da minha, há pouco ou nenhum interesse da maioria da equipe da Pastoral dos Noivos por formação. Humanae Vitae? É capaz de poucos ou nenhum saber do que se trata.

    Por isso, ninguém na Pastoral sente que tem preparo suficiente para falar aos casais de noivos sobre esses assuntos, ainda mais se tiver que defender a posição do Magistério. Então eles acham mais confortável convidar pessoas de fora do curso, ou às vezes de fora até da paróquia (médicos, profissionais da saúde) pra falar a respeito desses assuntos com mais “autoridade”.

    Quem me conhece sabe que desde muito tempo eu e minha esposa viemos insistindo para que houvesse uma formação sobre Humanae Vitae, Doutrina Moral da Igreja, Teologia do Corpo, principalmente para a equipe da Pastoral, mas somos meio queimados, postos de lado, e já estivemos à beira do desânimo por várias vezes. Somos vistos pela maior parte da equipe como agitadores, exigentes e truculentos.

    Paz e Bem!

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: