RSS

Bispo explica postura eclesial sobre preservativo

22 abr

Rebate as acusações de ignorância de um jornal contra o Papa

SAN LUIS, terça-feira, 21 de abril de 2009 (ZENIT.org).- Diante das desqualificações vertidas por um jornal argentino contra o Papa Bento XVI, acusado de «ignorância que afetaria fatalmente a saúde da população», o bispo de San Luis, Jorge Luis Lona, foi ao seu encontro com uma mensagem titulada «Triste Ignorância».

Na mensagem, de 18 de abril, enviada à Zenit, o bispo Lona afirma que «utilizando um estilo agressivo, o órgão de imprensa que representa em San Luis o pensamento oficial, acusou o Papa Bento XVI e a Igreja Católica de uma ignorância que afetaria fatalmente a saúde da população».

Tal acusação, formulada no editorial jornalístico do Domingo de Ramos, «obviamente não era um tema para ser tratado durante o curso da Semana Santa, que continua sendo um tempo especialíssimo de culto, oração e testemunho de fé», aponta o bispo de San Luis.

Passada a Semana Santa, o bispo se propõe «considerar o tema de maneira objetiva e conciliadora, para o bem de todos».

Em primeiro lugar, o bispo considera que o «Jornal» parece ter se deixado influenciar pela ignorância manifestada pelo Ministério de Educação da Nação, ao definir o preservativo como «o único método existente para prevenir o vírus da AIDS».

O bispo responde que «não só não é o único método, mas os organismos internacionais e nacionais mais importantes do mundo colocam o preservativo no terceiro ou quarto lugar, antepondo-se precisamente, em primeiro e segundo lugar, as práticas preventivas que a Igreja recomenda: retardar o começo da atividade sexual (abstinência) e fidelidade mútua; abstinência da atividade sexual e relação sexual mutuamente monógama» (OnusidaCenter for Disease Control, EUA).

O arcebispo aponta que estes importantes organismos oficiais não propõem esses critérios em adesão à Igreja Católica e a seu Magistério, mas «pelas evidências científicas acumuladas através de mais de 20 anos de campanhas mundiais de prevenção da AIDS».

Por isso, assegura Dom Lona, «os numerosos parágrafos em que o editorial do ‘Jornal’ se refere às propostas da Igreja em tom irônico e até depreciativo, encontram sua desculpa em uma triste – mas supomos involuntária – ignorância».

Em segundo lugar, o bispo afirma que «é necessário compreender por que a distribuição e propaganda do preservativo pode agravar a difusão da AIDS».

E sublinha que «esta afirmação do Papa Bento XVI durante sua recente viagem à África foi firmemente apoiada pelo Dr. Edward Green, principal pesquisador do tema na Universidade de Harvard, com ampla experiência naquele continente».

O bispo informa que é «um destacado cientista não-católico, que fundamenta sua opinião em dados objetivos dos quais foi testemunha. Trata-se do fenômeno conhecido como ‘desinibição do comportamento’, pelo qual a pessoa assume maiores riscos em sua conduta sexual, ao crer-se a salvo da doença».

Em terceiro lugar, explica o bispo de San Luis, «o grande problema do preservativo em relação à prevenção da AIDS é sua baixa eficiência de uso. Para diminuir o contágio da AIDS, o preservativo deveria ser de perfeita qualidade, e utilizado com precauções especiais. Só assim poderia conseguir-se o que tecnicamente se denomina ‘uso consistente’. Mas essa consistência de uso não se conseguiu nunca no conjunto de uma população afetada».

Tudo o que disse, segundo o prelado argentino, tem valor científico e «foi necessário para enfrentar a acusação de que a Igreja ignora os progressos da ciência experimental.

Mas, acrescenta, «há outra ciência mais alta: a verdadeira filosofia, que se anima a indagar sobre o mistério do ser humano em todas as suas dimensões e se nega a reduzi-lo a um animal de inexplicável inteligência e carente de liberdade».

«Sob essa luz – sublinha –, a Igreja continua proclamando a verdade da Criação. Deus nos criou para amar-nos e para que, respondendo ao seu amor, chegássemos a ser capazes de amar-nos entre nós como Ele nos ama. Por isso nos criou parecidos com Ele, à sua imagem e semelhança, com um querer inteligente e livre. E nos criou homem e mulher. O sexo humano tem como chave, realização e destino a entrega do amor para o próprio bem e o bem dos demais. Tudo o que poderá ter de autenticamente recriacional e libertador virá disso.»

Dom Lona conclui afirmando que Deus não quer «o sexo egoísta, capaz de destruir a própria vida e causar terrível dano aos demais» e, «em Cristo ressuscitado, Ele nos convida e continuará nos convidando a renovar, e também a recuperar se o perdermos, o dom de vida que pôs em cada um de nós. Ele quer iluminar toda ignorância. Ele quer que brilhe em nossas vidas o resplendor da Verdade».

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 22 de abril de 2009 em AIDS, Bento XVI, Imprensa, Papa

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: